MENU

A ANBLA “finca os pés”, de vez, no 21º Festival do Japão!

Ainda em formação, mas já sensibilizando um empresário altruísta (que pediu anonimato) com seu projeto de intenções, somado a outras contribuições, a Associação Nipo Brasileira de Letras e Artes (ANBLA), conseguiu locar um espaço, incluindo layout e design, no 21º Festival do Japão, para apresentar seus associados e obras à sociedade e foi muito bem sucedido.

Acho que batemos o recorde da venda de livros, em exemplares e em valor”, afirmou Hidemitsu Miyamura, presidente em exercício da ANBLA, empolgado com o primeiro passo dado pela nova entidade. Tivemos muita visibilidade e ainda fizemos contatos abrindo novos caminhos para o futuro. Minha avaliação é excelente! Basta imaginar o que estaríamos fazendo sem esse canal de exposição.”, prosseguiu empolgado. “Podia ter sido melhor, mas para primeira vez, foi ótimo! E vamos melhorar! Por exemplo, aos próximos eventos, tentaremos incluir nossos artistas de danças de leques e espadas nas programações de palco dos mesmos”, justificou.Esperamos ter correspondido aos que nos ajudaram financeiramente e, aos quais somos imensamente gratos porque sem eles essa realização seria impossível”, concluiu.

A ANBLA, com novo formato estendendo também a artistas, conta com aproximadamente 20 escritores e 30 artistas. Apesar do nome, não é restrita a descendentes. É aberta também aos não, mas simpatizantes que praticam ou façam referência a temas relacionados com a cultura japonesa ou ao próprio Japão. Aos descendentes, não há a obrigatoriedade da abordagem vinculada à cultura japonesa.

Como exemplos, Carlos Ragazzo, que ministrou as oficinas de sumiê no estande da ANBLA, foi aluno do professor Okinaka, no Bunkyô/SP; e Raul Marino Jr, autor do livro O Cérebro Japonês, que teve apoio da entidade, não são descendentes de japoneses.

Nesse Festival, pela área das Letras, além da venda dos livros de todos os autores, associados ou não, houve também o lançamento de novos como, A Peregrinação das Folhas Caídas (André Kondo), Kontos, Krônicas & Kanções (Silvio Sano), Linha Tênue (Gilson Yoshioka), O Cérebro Japonês (Raul Marino Jr) e Samureka Sapeca (Thoshio Katsurayama).

Pelas Artes, Akira Saito, mestre 7 dan em Shibu e Kenbu, estilo Shoetsukai, apresentou workshop dessa arte que remonta mais de 1300 anos, interagindo com o púbico e explicando nuances das técnicas, das letras dos poemas, das vestimentas e da manutenção das tradições. E Kazuyo Morishita, mestre em Shodô e presidente da Shoko-ryu, contribuiu com caligrafia japonesa aos que compravam livros e explicações aos contemplados enquanto as escrevia.

E o grupo “Coletivo Oriente-se”, por meio de uma TV, rodou vídeo nos três dias com retrospectiva de seus curtas postados no Youtube, para mostrar o perfil do grupo criado… “para desmistificar o estereótipo carimbado pela mídia de que atores orientais são apenas para papéis ‘exóticos’, mas também para abrir o debate sobre diversidade étnica, social e de gênero no meio artístico”, reforçou Edson Kameda, membro do grupo e um dos atores da peça O Legítimo Pai da Bomba Atômica, com elenco 100% nipo-brasileiro, ora em cartaz e já chamando a atenção da grande mídia.

Pela satisfação geral dos que participaram desse Espaço Letras e Artes, conforme denominado pela ANBLA, o saldo foi positivo. “Preliminarmente, a apuração da venda dos livros foi muito boa. Os dados ainda estão sendo compilados. Mas creio que acertamos na escolha do tamanho e formato do espaço locado”, explicou Jun Sakakura, secretário em exercício da ANBLA.

O espaço bem localizado e de excelente exposição, manteve-se muito movimentado nos três dias do Festival. Lika Kawano, presidente da ANISA (Associação Cultural Nipo Brasileira de Salvador) e Roberto Fudio Mizushima, ex-presidente, responsáveis pelo Festival da Cultura Japonesa de Salvador, com quem Sakakura já vinha mantendo contato e convidados por ele, apresentaram-se no estande já formalizando convite à ANBLA para participação no festival deste ano, em agosto, nos dias 24, 25 e 26.

Enfim, o movimento no Espaço Letras e Artes foi muito bom. A participação e colaboração de todos muito gratificante. Chamo isso de espírito coletivo! A ANBLA não é só para festivais. É uma entidade aberta, formada para receber e promover manifestações na literatura e nas artes, para propiciar a escritores e artistas maior visibilidade,”, concluiu Sakakura, deixando claro o papel dessa nova entidade.

(Texto: Silvio Sano – Fotos: do próprio, MJapan, Takao Miyagui e Júlia Yassumi)

1-SeApresentando 1-zequipe 2-bancada 2-bancada2 2-bancada3 3-bancada detrás 4-daSoja 4-sumie 5-morishita 5-morishita2 7a-margo1 7b-margo2 7-margo3 7-margo4 8-carlosR1 8-carlosR2 9-IMG-20180720-WA0074 10-kenbu1 10-kenbu2 10-kenbu3 10-kenbu4 10-kenbu5 11-coletivo1 11-coletivo2 11-coletivo3 11-coletivo4 11-coletivo5 12-TvNikkey1 12-TVNikkey2 13-20180721204400_IMG_1455 13-coletivopesquisa 13-divulgacao0 13-divulgacao1 13-divulgacao2 13-divulgacao2a 15-20180720160747_IMG_1245 16-IMG-20180720-WA0077 17-37771502_2618831538342347_7518687027307479040_n 17-20180722163611_IMG_1578 18-20180720150421_IMG_1233 (1) 19-37734070_2618830338342467_4129613992861630464_n 20-37738405_2618831938342307_1160566413249740800_n 21-20180722094017_IMG_1463 21-IMG-20180720-WA0085 24-20180721094417_IMG_1289 25-20180721134953_IMG_1406

 

Autor:

Publicado em: 27 de julho de 2018

Categoria: Associações, Cultura, Música e Artes, Notícias, Notícias da Comunidade

Acessos: 216

Deixe uma resposta